Como medir o reuso de código

O conceito DRY (Don’t Repeat Yourself) prega que deve-se reutilizar o código já escrito, para aumentar a produtividade e aumentar a facilidade de manutenção, entre outras coisas. E para auxiliar nessa tarefa, existe, por exemplo,  a programação orientada a componentes e a objetos, onde você cria um componente e reutiliza ele em diversas partes do seu código, ou faz o mesmo com um objeto qualquer do sistema. Mas na hora de gerenciar tudo isso, como se faz para medir quanto um código está sendo reutilizado?

Existe uma medida chamada LOC (Lines Of Code) que, como o nome diz, é representada pelo número de linhas de código que o seu programa tem. Mas isso não é suficiente para medir quanto o seu código está sendo reutilizado.

Existe também o conceito de pontos por função. Mas, isoladamente, esse conceito não é suficiente para medir a reutilização de código, uma vez que, quando aumenta, esse indicador simplesmente mostra que foram desenvolvidas mais funções, e não que um código foi reutilizado.

De acordo Jeffrey Hammond, analista da Forrester Research, são necessárias três métricas:

  1. Número de pontos por função que um desenvolvedor gera por mês;
  2. Média de LOC por ponto por função;
  3. A tendência dessas duas medidas com o decorrer do tempo.

Um ponto por função é definido como a implementação de uma única tarefa a ser realizada pelo usuário final, por exemplo, uma pesquisa a ser realizada dada uma entrada do usuário. O total de pontos por função, que é uma medida das funcionalidades de um determinado software, independe da linguagem ou metodologia de desenvolvimento utilizada.

À medida que os desenvolvedores aumentam o nível de reuso de código, a quantidade de LOC permanece praticamente a mesma. Não faz sentido que esse indicador diminua, e pode também ser um indício de que os programadores estão trabalhando menos. Porém, com o passar do tempo, mesmo mantando a mesma quantidade de LOC por mês, a quantidade de pontos por função aumenta, uma vez que o código está sendo reutilizado, exigindo menos LOC para mais pontos por função.

Outro benefício colateral de usar essa medida está relacionada com a qualidade: com o reuso de código já testado e corrigido, diminui-se a incidência de erros no programa.

Leia mais no site da ComputerWorld.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *